Boas razões para ver não faltam nesta saga

“Animais Fantásticos e Onde Habitam” foi lançado cinco anos após o final da saga de “Harry Potter”, em 2011. O filme traz uma nova leva de histórias, porém, de alguns velhos conhecidos nomes de “Hogwarts”. Confira então bons motivos para assistir esta nova saga que deve terminar sendo uma trilogia. Clique aqui para assistir! 

Novo começo

A história se passa dentro do universo que consagrou “Harry Potter”, mas em uma época diferente. O mesmo é válido para o local. “Animais Fantásticos e Onde Habitam” se passa em Nova York, durante os anos 1920.

O “Congresso Mágico dos Estados Unidos” tenta evitar uma exposição perigosa dos bruxos perante os trouxas. Para que isto não aconteça, “Newt” (Eddie Redmayne) precisa recolher seus animais que acidentalmente deixou escapar pela cidade.

Entre ele, seus animais, e o cara com quem troca de maletas, também está “Tina” (Katherine Waterstone). Ela por sua vez acabou perdendo seu posto de “auror” no “governo bruxo norte-americano” e também prendeu o jovem “Newt” sem evidências que o incriminasse.

Veja o trailer de “Animais Fantásticos e Onde Habitam” (2016):

Personagens diferentes

E personagens normais, que surpreendentemente tem maior destaque. É o caso de “Jacob Kowalski” (Dan Fogler) que está presente em praticamente em toda a história. Enquanto acompanha o desenrolar da trama, ele dá uma boa noção de como um trouxa veria aquela situação surreal, algo que é uma novidade trazida nesta saga.

Animais fantásticos

Os efeitos especiais que recriaram os animais são espetaculares e fazem jus ao livro que deu origem ao longa. A variedade de formas é impressionante, o que definitivamente era algo que deixava os fãs ansiosos por ver nas telonas. O resultado foi excelente.

Bônus

Sim, outro bom motivo para assistir “Animais Fantásticos e Onde Habitam” (2016) é que a continuação já foi lançada e também está disponível no NOW. E tem ainda mais: Johnny Depp e Jude Law estão no elenco da sequência!

“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” (2018)

Confira outras notícias relacionadas:

“Brinquedo Assassino” (2019): remake tem algoz tecnológico

Compartilhe: